Hackintosh: Instalando o OS X 10.10 Yosemite em um PC comum

Dando continuidade a categoria de testes com os Hackintoshs, agora é a vez de rodar o OS X 10.10 Yosemite em um PC comum.
A técnica utilizada agora um pouco diferente apenas pelo software que gera o pendrive bootável que agora ao invés do MyHack irei utilizar o Unibeast desenvolvido pelo TonyMac.
Continue reading

Adeus ao SSD, vamos dar as boas vindas a tecnologia ReRAM

A startup Crossbar anunciou neste mês que os testes com a tecnologia de RAM resistiva está finalizada e pronta para fabricação em massa. A diferença básicamente entre a memória flash e a memória ReRAM mais conhecida com RAM resistiva é a densidade, confiabilidade e velocidade.

A tecnologia ReRAM possibilita o armazenamento de dados com garantia de integridade até 10 anos, já a tecnologia Flash têm a durabilidade mais ou menos de 12 meses ( 1 ano ).

Em relação a velocidade de leitura e escrita a latência na memória NAND ( memória flash ) é de centenas de microsegundos a RRAM chegou a 50 nanosegundos. Uma outra vantagem em relação a densidade dos dados é que a barreira do 1TB que temos hoje com a memória flash deve ser facilmente ultrapassada, já que os primeiros modelos devem ser fabricados em 3D com centenas de camadas articuladas verticalmente.

ReRAM

A previsão para aparecer no mercado os primeiros em no final de 2016. Se você ficou na dúvida se vai trocar os discos do seu parque de máquinas por memórias ReRAM ao invés de SSD imaginem gigantes como Google, Facebook, Twitter e outros data centers que investem continuamente em velocidade e disponibilidade.

Desabilitando SELinux no CentOS 6.6

Para desabilitar o SELinux no CentOS 6.6 é muito simples. Edite o arquivo /etc/selinux/config e procure pela linha:

SELINUX=permissive

altere para

SELINUX=disabled

Feito isto reiniciei o seu servidor e estará tudo pronto.

Script de inicialização do Oracle 11G para CentOS 6.6 /etc/init.d/oracle

Para quem precisar segue um exemplo de script de inicialização do Oracle 11G para CentOS 6.6 ( /etc/init.d/oracle )

 

 

#!/bin/sh
#
# /etc/rc.d/init.d/oracle
# Description: Starts and stops the Oracle database and listeners
# See how we were called.
case "$1" in
start)
echo -n "Starting Oracle Databases: "
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
date +"! %T %a %D : Starting Oracle Databases as part of system up." >> /var/log/oracle
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
su - oracle -c dbstart >> /var/log/oracle
echo "Done."
echo -n "Starting Oracle Listeners: "
su - oracle -c "lsnrctl start" >> /var/log/oracle
echo "Done."
echo ""
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
date +"! %T %a %D : Finished." >> /var/log/oracle
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
touch /var/lock/subsys/oracle
;;
stop)
echo -n "Shutting Down Oracle Listeners: "
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
date +"! %T %a %D : Shutting Down Oracle Databases as part of system down." >> /var/log/oracle
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
su - oracle -c "lsnrctl stop" >> /var/log/oracle
echo "Done."
rm -f /var/lock/subsys/oracle
echo -n "Shutting Down Oracle Databases: "
su - oracle -c dbshut >> /var/log/oracle
echo "Done."
echo ""
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
date +"! %T %a %D : Finished." >> /var/log/oracle
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
;;
restart)
echo -n "Restarting Oracle Databases: "
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
date +"! %T %a %D : Restarting Oracle Databases as part of system up." >> /var/log/oracle
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
su - oracle -c dbstop >> /var/log/oracle
su - oracle -c dbstart >> /var/log/oracle
echo "Done."
echo -n "Restarting Oracle Listeners: "
su - oracle -c "lsnrctl stop" >> /var/log/oracle
su - oracle -c "lsnrctl start" >> /var/log/oracle
echo "Done."
echo ""
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
date +"! %T %a %D : Finished." >> /var/log/oracle
echo "----------------------------------------------------" >> /var/log/oracle
touch /var/lock/subsys/oracle
;;
*)
echo "Usage: oracle {start|stop|restart}"
exit 1
esac

Manipulando imagens via shell no Linux

Exemplo compartilhado no site Dicas-L.

– Dimunuir todos os arquivos de um diretório em 50% mantendo o mesmo nome de arquivo
for i in $(ls *.jpg); do convert -resize 50% $i re_$i && rm -f $i && mv re_$i $i; done

– Lista os diretorios, entra neles e converte os jpg e volta um diretorio
for dir in $(ls); do cd $dir; for i in $(ls *.jpg); do convert -resize 50% $i re_$i && rm -f $i; done; cd ..; done

– Converte um png em jpg, redimensionando o mesmo para 800×600
convert imagem_velha.png -geometry 800x600 imagem_nova.jpg

Configurando proxy por máquina no Windows via GPEDIT

Neste tutorial iremos mostrar como configurar o proxy do Windows por máquina ao invés de configurar por usuário como é de padrão no sistema Windows.

Imagine o seguinte cenário, você possui um Windows no qual irá disponibilizar via RDP o acesso a internet. Imagine que neste servidor você terá 20 usuário que irão conectar remotamente neste servidor. O trabalho de configurar o proxy usuário por usuário é algo insano e impraticavél.

Sendo assim levaremos em consideração os seguintes parametros de GPEDIT
01 Passo
Configurações de Usuário / Configurações do Windows / Manutenção do Internet Explorer /
Conexão / Configuração do Proxy

Screen Shot 2014-11-07 at 7.03.24 PM

02 Passo
Configurações do Computador / Modelos Administrativos / Todas as Configurações / Definir as configurações de proxy por máquina ( não por usuário )

03 Passo
Configuração de Usuário / Modelos Administrativos / Totas as Configurações /Desabilitar a página Conexões

Iniciando Pool e VMs automáticamente no XenServer 6.x

Dando continuidade nos posts sobre o XenServer, hoje mostrarei como iniciar automáticamente um pool de virtual machines ou então uma determinada vm.

Iniciando um pool automáticamente no XenServer
Para iniciar um pool de virtual machines no XenServer utilize os seguintes comandos abaixo:

xe pool-list
você verá uma saída mais ou menos como esta abaixo:

uuid ( RO) : 0af8cf6c-14ac-4cf6-f9ad-40e1b94a922e
name-label ( RW): Pool03
name-description ( RW):
master ( RO): 81fb4df9-35c5-41d9-a19e-791a370226a8
default-SR ( RW): 91532bdb-2b69-cdd6-971a-2966d4f67b57

O pool que iremos iniciar é o Pool03 ele possui o ID 0af8cf6c-14ac-4cf6-f9ad-40e1b94a922e
Agora que temos o ID do pool devemos rodar o comando para que o XenServer comece a carregar este pool automáticamente:

xe pool-param-set uuid=0af8cf6c-14ac-4cf6-f9ad-40e1b94a922e other-config:auto_poweron=true
OBS: Substitua o conteúdo de uuid pelo seu uuid

Iniciando uma virtual machine automáticamente no XenServer 6.x
Para iniciar uma determinada virtual machine é muito parecido com as instruções acima. Siga o exemplo abaixo:

xe vm-list

você verá uma saída como o exemplo abaixo:

uuid ( RO) : ce2acd67-ed63-9aa1-c229-3aad08fb1f8c
name-label ( RW): Firewall.01
power-state ( RO): running

uuid ( RO) : a589b500-93ac-48ec-869f-70980cc58f5d
name-label ( RW): Control domain on host: xenserver-cgagaumj
power-state ( RO): running

Iremos iniciar a virtual machine Firewall.01. Sendo assim o comando ficará como no exemplo abaixo:

xe vm-param-set uuid=a589b500-93ac-48ec-869f-70980cc58f5d other-config:auto_poweron=true

OBS: Lembrando de alterar o UUID pelo seu UUID

Uma outra outra opção é conectar na máquina via XenCenter ou mesmo local e adicionar uma linha no script /etc/rc.local com os comandos de inicialização das VMs como no exemplo abaixo:

sleep 20
xe vm-start uuid=

 

Referências:
http://support.citrix.com/article/ctx133910

Adicionando scripts na inicialização do Debian 7

A partir do Debian Squeeze houve uma pequena mudança no sistema de inicialização de scripts de boot. Agora é necessário colocar uma pequena descrição do que se trata o script. Abaixo está um pequeno exemplo de um script de inicialização e também o comando para adicionar este script na inicialização
#! /bin/sh
### BEGIN INIT INFO
# Provides: init.bluefirewall.sh
# Required-Start: $local_fs $remote_fs $network $syslog
# Required-Stop: $local_fs $remote_fs $network $syslog
# Default-Start: 2 3 4 5
# Default-Stop: 0 1 6
# Short-Description: Start init.bluefirewall.sh at boot time
# Description: Enable service provided by init.bluefirewall.sh.
### END INIT INFO

# Some things that run always
touch /var/lock/init.bluefirewall

# Carry out specific functions when asked to by the system
case "$1" in
start)
echo "Starting Blue Systems Firewall......"
/usr/local/blue.firewall/blue.firewall start
;;
stop)
echo "Stopping Blue Systems Firewall......"
/usr/local/blue.firewall/blue.firewall stop
;;
*)
echo "Usage: /etc/init.d/init.bluefirewall {start|stop}"
exit 1
;;
esac

exit 0

É necessária adicionar no cabeçalho do script as instruções ### BEGIN INIT INFO assim como no exemplo acima. Depois de adicionado basta executar o comando:

update-rc.d init.bluefirewall defaults

Onde init.bluefirewall é o nome do seu script que está em /etc/init.d

Exportando uma VM do Virtualbox para o Xen Hypervisor

O Virtualbox e o Xen são dois sistema de virtualização distintos porém muito poderosos para determinadas aplicações.

A dificuldade maior encontrada é quando precisamos exportar uma VM do Virtualbox para o Xen. Depois de muita pesquisa e horas de trabalho, descobri que a forma mais adequada de importar uma VM do Virtualbox ( VDI ) para o Xen é através da conversão do VDI para um VMDK ( Vmware ).

Convertendo os formatos de VDI para VMDK
Primeiramente precisamos converter o formato do arquivo da máquina virtual de VDI para VMDK. Para isto na máquina que você possui o Virtualbox instalado procure pela aplicação VBoxManage. Através dela iremos converter os formatos da VM conforme modelo abaixo.

VBoxManage clonehd "" --format vmdk

Importando o VMDK no Xen
Depois de converter o seu arquivo VDI ( Virtualbox ) para o formato VMDK ( VMWare ) você deve utilziar o Xen Center para importar a VM no seu servidor Xen. Para isto basta abrir o Xen Center assim como screenshot abaixo:

xencenter

Depois disto é só esperar algumas horas até que a tarefa seja concluída. Lembre-se de ter espaço em disco o suficiente para importar sua VM.

Editando os dados do About do Mac OS

Neste artigo iremos editar os dados do About do Mac. Isto serve principalmente para você que montou seu hackintosh
Artigo em inglês

Running either UserDSDT or Easybeast with Multibeast will automatically identify your computer as a 2008 Mac Pro, because the Mac Pro (3,1) system definition is installed by default. To recap, system definitions pretend that your Hackintosh is a real Mac, enabling a variety of model-specific features in Mac OS X. However, if you don’t think that your “About This Mac” page is glamorous enough, it’s actually possible to edit this system definition information.

Change the icon
By default, “About This Mac” will display a generic icon of whatever Mac model your Hackintosh is pretending to be. However, you can change this by replacing the icon with a different one. To find these icons in your own Mac OS X file system, open Finder, and go to:

/System/Library/CoreServices/CoreTypes.bundle/Contents/Resources

NOTE: In the CoreServices folder, you will have to right-click the file “CoreTypes.bundle” and click “Show Package Contents”.

Once you reach this “Resources” folders, you’ll be able to get large, HD icons for various Apple products, including Macs, iPhones, iPads, and more. Each of these icons is 512×512 in size. Find the icon that your “About This Mac” page is currently using. You can either delete this icon, or drag it out to your desktop (or somewhere else random) as a backup.

Next, find an image that you want to use on your “About This Mac” page instead. It should be at least 256×256 in size. The image should also be transparent, which means that the background of the image has to be blank (not just white in color). If you know how to, you can also make your own transparent image. For reference, this is the image that I’m currently using.

Mac OS X uses the .icns format for its icons, instead of normal image formats like PNG or GIF. To fix this, once you have an image prepared, go to iConvertIcons.com, and choose the “Use Online” option. Upload your image, and click “Convert”. Once the website finishes converting your file, click “Download .icns” to download the .icns version of your image.

Rename your new icon to the name of the old icon that you dragged out from the “Resources” folder earlier. If you’re using the default Mac Pro (3,1) system definition, you’ll rename your new icon to “com.apple.macpro.icns” (without quotation marks).

Finally, drag your new icon into the Resources folder, and log out. You’re done!

Changing the name
By default, “About This Mac” calls your Hackintosh a Mac. For instance, if you have the Mac Pro (3,1) system definition installed, “About This Mac” will say “Mac Pro Early 2008”. You can change this by editing a properties list (plist) inside Mac OS X. First off, download TextWrangler. The plist file that you need to edit for this cannot be rendered properly in TextEdit or most other text editors.

Next, enable showing of hidden files. Then, open Finder, and go to:

/Users/”Your User”/Library/Preferences

NOTE: “Your User” represents the name of your user account in Mac OS X. To open hidden folders, you may have to right-click the folder and click “Open”.

Inside the “Preferences” folder, search for the file “com.apple.SystemProfiler.plist” (without the quotation marks). Open this file with TextWrangler.

The exact composition of your plist file depends on which system definition you’re using. Replace the appropriate names with the names that you wish to use instead. For instance, if you’re using the Mac Pro (3,1) definition, replace “Mac Pro (Early 2008)” with “Hackintosh (Early 2011)” or whatever else you want the name to be. You may have to replace multiple instances of each name.

Save the file, and log out. You’re done!

Conclusion
Once you log back in, click the Apple on the upper left-hand corner of your screen, click “About This Mac”, and then click “More Info”. You will now see your new icon and system name displayed. Hooray!

 

This is a purely cosmetic change; as far as Mac OS X is concerned, you’re still using a normal system definition. Your “About This Mac” page simply looks better. But a little flare never hurt anybody, after all.

Windows 7 em ambiente corporativo

A ideia deste post é customizar o Windows 7 para um ambiente corporativo. Imagine que a pasta do usuário com Documentos, Imagens etc fiquem armazenadas em um servidor de dados.

Abaixo mostraremos como efetuar esta alteração:

1) Primeiramente devemos mapear a unidade de rede no qual receberá os arquivos de nosso sistema. Deixamos o link de um script no final deste post no qual cria a estrutura de arquivos.
É necessário que todas as pasta que estejam no diretório mapeado estejam com a opção de disponível mesmo que offline. Para isto execute o exemplo abaixo:

offline

Depois de adicionado a opção de sempre disponível offline você deve alterar cada um dos ítens do Windows Explorer clicando com o botão direito e definindo como pasta de destino o diretório no servidor assim como na imagem abaixo:
Documents_Custom

2) Wallpaper Padrão
Use a ferramenta BGInfo.exe para configurar as informações de IP, hostname e setar o background padrão. Este aplicativo você encontra no final deste post para download.
* Mais informações acesse: http://technet.microsoft.com/en-us/sysinternals/bb897557

3) Regras de GPO ( Group Policy )
No Gpedit iremos adicionar algumas regras para customizar nosso ambiente. Segue a lista:

Start_Menu

Para desabilitar a alteração do Wallpaper via GPO utilize o seguinte Scheme:
/ Configuração do Usuário / Modelos Administrativos / Painel de Controle / Personalização / Impedir a alteração de plano de fundo da área de trabalho -> Habilitar

Menu Iniciar e Barra de Tarefas

Modelos Administrativos / Componentes do Windows / Menu Iniciar e Barra de Tarefas /
Remove ícone Música do menu iniciar -> Ativar
Remove ícone Rede do menu iniciar -> Ativar
Remove ícone Imagens do menu iniciar -> Ativar
Remove ícone Vídeo do menu iniciar -> Ativar
Remover o ícone Programas Padrão do menu iniciar -> Ativar
Remover o ícone Downloads do menu iniciar -> Ativar
Impedir alterações nas confugurações da barra de tarefas e menu iniciar -> Ativar
Remover o comando executar do menu iniciar -> Ativar
Remover conexões de rede do menu iniciar -> Ativar
Remover o link para a pasta do usuário do Menu Iniciar
/ Configuração de Usuário / Componentes do Windows / Windows Explorer / Oculta estas unidades especificadas em Meu Computador ( selecione as unidades que você quer ocultar. No nosso caso será o C: )

Desabilitando acesso a unidade c:
Configuração do Usuário / Modelos Administrativos / Componentes do Windows / Windows Explorer
Impedir acesso a unidades de meu computador -> Ativar ( Restringir apenas unidade C )

OBS: É importante que o usuário esteja com opções de administrador para customização do ambiente. Depois que fizer suas customizações elas podem ser alteradas para usuário padrão novamente.

Lista de aplicativos que gerenciar o SysInternals do Windows
http://technet.microsoft.com/en-us/sysinternals/bb795534

4) Tempo limite de sessões desconectadas para Remote Desktop

Para habilitar um tempo limite para sessões desconectadas utilize o seguinte scheme:

/ Configuração do Meu Computador / Modelos Administrativos / Todas as Configurações / Definir limite de tempo para sessões desconectadas
-> Habilitar ( 30 minutos )

5) Permissões de pastas
Para desativar o acesso a gravação na pasta de profile padrão do usuário você deve abrir o diretório c:\Users\Nome-do-Usuário e desabilitar todas as permissões de controle e gravação nesta pasta. OBS: A única pasta que deve ter permissão de controle e gravação é a pasta AppData que é onde fica o diretório Temp e configurações de aplicativo.

Permissions

Alterando Registro
Algumas confirmações são feitas diretamente no Registro do Windows. Caso você tenha seguido a ordem que colocamos acima será necessário chamar o Regedit pelo Prompt. Para isto entre no seu prompt e digite

c:\Windows\System32\

depois digite
regedit32.exe

Desabilitar o ícone de rede do menu do Windows Explorer
Procure pela chave abaixo e altere o valor conforme modelo abaixo:
HKEY_CLASSES_ROOT\CLSID\{F02C1A0D-BE21-4350-88B0-7367FC96EF3C}\ShellFolder\Attributes de b0040064 para b0940064.

Desabilitar o menu Favoritos do Windows Explorer
Procure pela chave:
HKEY_CLASSES_ROOT\CLSID\{323CA680-C24D-4099-B94D-446DD2D7249E}\ShellFolder
Procure pela sub-chave shellfolder e depois mude a permissão de modo que você possa alterar o valor hexadecimal da chave Attributes para a9400100

Instalando o Team Viewer9 no Ubuntu 13 e corrigindo dependências

O sistema de pacotes do Debian é sem dúvida um dos melhores pela facilidade, velocidade e segurança.
Um problema que encontramos é o que acaba acontecendo em toda e qualquer distro, o problema das dependências. Neste tutorial irei mostrar como resolver isto com a utilização do pacote Gdebi.

Pacotes a serem instalados:
Team Viewer 9 for Linux
Gdebi

Repositório de pacotes do Apt-Get para baixar os pacotes
deb http://us.archive.ubuntu.com/ubuntu/ saucy main restricted universe multiverse
deb-src http://us.archive.ubuntu.com/ubuntu/ saucy main restricted universe multiverse
deb http://extras.ubuntu.com/ubuntu saucy main
deb-src http://extras.ubuntu.com/ubuntu saucy main
deb http://ppa.launchpad.net/weather-indicator-team/ppa/ubuntu saucy main
deb-src http://ppa.launchpad.net/weather-indicator-team/ppa/ubuntu saucy main

Iniciando a instalação

1) Primeiramente precisamos instalar o GDebi para resolver todas as dependências encontradas pelo Apt-get. Para isto precisamos executar o seguinte comando abaixo:

apt-get install gdebi

* OBS: É possível que você tenha algum problema para a instalação do GDebi. Caso isto aconteça tente o comando apt-get -f install e na sequência o comando apt-get autoremove para limpar os pacotes que venham a dar problema na instalação

2) Instalando o Team Viewer 9

Depois do GDebi instalado, basta executar o comando apontando para o caminho do arquivo .deb

Ex:
gdebi teamviewer_linux.deb

Pronto seu Team Viewer já instá instalado corretamente.

Deletando arquivos de forma segura no OSX com comando disktutil

Uma forma segura de deletar arquivos no Mac OS X, é utilizando o comando diskutil. Este comando funciona via linha de comando e faz todas as funções que o Disk Utilite faz, porém sem interface gráfica.

Passo a Passo
1) Para deletar arquivos de forma segura utilizando o comando diskutil primeiramente abra o terminal.
Em meu exemplo formatarei um pendrive de 8GB com file system JHFS+

Para saber qual a identificação do dispositivo que quer formatar/deletar utilize o comando diskutil list conforme o screenshot abaixo:

Screen Shot 2014-08-14 at 21.55.17

Identificamos que o pendrive de 8GB que queremos formatar está em disk1. Não precisamos especificar o diretório /dev/disk1 como é comum em outros comandos. Neste caso especificamos apenas a identificação do disco.

2) Deletando os arquivos. Para deletar utilize o exemplo abaixo:
Screen Shot 2014-08-14 at 21.50.25