Retrospectiva 2004

  • Post author:
  • Post category:Sem categoria

Alta tecnologia: um ano cheio de surpresas
Quarta-feira, 22 dezembro de 2004 – 09:51
IDG Now!

O ano de 2004 desafiou todas as previs?es: a IBM vendeu sua divis?o de PCs para um concorrente chin?s, a Oracle conseguiu comprar a PeopleSoft depois de meses de conflitos e at? mesmo a Microsoft e a Sun anunciaram interoperabilidade entre os seus softwares.

As manchetes desse ano tamb?m confirmaram diversas tend?ncias previstas em 2004. A ado??o de software livre continua com sua marcha inalterada, a Microsoft desistiu do sonho de sistemas de arquivos unificados no Windows Longhorn, os servi?os na web caminham para a padroniza??o, e at? mesmo o presidente da Dell, Kevin Rollins, anunciou interesse em incluir processadores da AMD nas m?quinas montadas pela companhia.

A IBM de cara nova

A mais not?vel hist?ria do mundo da tecnologia no ano de 2004 foi a venda da divis?o de PCs da IBM para a chinesa Lenovo. A transa??o, que envolveu cerca de US$ 1,75 bilh?es, p?s fim a um debate interno de mais de uma d?cada que discutia se a IBM deveria ou n?o se manter em um neg?cio com margens de lucro t?o baixas.

O que finalmente convenceu a IBM a sair do neg?cio de PCs, que gerou US$ 11,5 bilh?es em receitas para a companhia em 2003, foi a incompatibilidade com o patamar de altas margens de lucro conquistado em outros neg?cios, como a estrat?gia On Demand de servidores e o neg?cio de massivos servi?os profissionais especializados.

De acordo com o Gartner, outros grandes fabricantes de computadores dever?o sair do mercado j? no ano que vem.

Oracle ganha mercado

A aquisi??o da PeopleSoft foi o maior evento do setor de aplica??es corporativas em 2004, um marco para o hist?rico de aquisi??es hostis no mercado, culminando inclusive na demiss?o do ent?o presidente Craig Conway da dire??o da companhia por decis?o da mesa de conselheiros. A Oracle engoliu a PeopleSoft, oficialmente, somente em dezembro. Subsequentemente, o presidente da Oracle, Charles Phillips, afirmou que os planos para integra??o das duas estruturas seria definido at? o final do ano e, j? no in?cio de 2005 pretendia ter completado a tarefa.

O crescimento do software livre

O software de c?digo aberto emergiu como um grande protagonista em 2004.

“Tenho visto uma mudan?a tect?nica em dire??o ao software livre no setor corporativo”, afirmou Eric Friedman, diretor de infra-estrutura da Wells Fargo. As companhias agora se perguntam: “Por que utilizamos um produto propriet?rio se podemos optar por uma solu??o de c?digo aberto?”, disse Friedman. “Essa se tornou a posi??o padr?o nas companhias – a de procurar solu??es gratuitas”.

O Linux continuou a sua escalada em dire??o ?s maiores companhias durante 2004, ajudado pelo lan?amento da aguardada vers?o 2.6 do kernel do sistema primeiro pela Novell Suse, depois pela Red Hat. O novo kernel permite que fabricantes de Linux compitam de forma mais equilibrada com os desenvolvedores de sistemas Unix, como a Hewlett-Packard e a Sun. As principais mudan?as foram a maior capacidade de trabalhar com grandes volumes de dados, maior quantidade de mem?ria e outro tanto a mais de processadores em um ?nico sistema.

Como resposta, a Sun anunciou a vers?o 10 do Solaris na metade de novembro, antecipando que a atualiza??o seria gratuita. O analista do IDC, Dan Kusnetzky, ? quem d? a palavra final: “Se olharmos para os sistemas operacionais, as ?reas com principal crescimento em 2004 foram a de Windows e Linux”, disse.

Longhorn abaixo das expectativas

Em agosto desse ano, a Microsoft anunciou que estava descartando um dos principais componentes da primeira vers?o do novo sistema operacional, o sistema de arquivos WinFS, comentado e vangloriado por mais de tr?s anos seguidos. A companhia anunciou que o sistema operacional n?o ser? lan?ado at? o final de 2006 e, mesmo assim, sem o WinFS – grande parte do brilho no lan?amento do Longhorn ser? perdido. A primeira vers?o de testes (beta) do sistema est? programada para o quarto trimestre de 2005.

Executivos da Microsoft, no entanto, argumentam que a retirada do WinFS da primeira vers?o do Longhorn facilitar? a transi??o de usu?rios do Windows XP, apesar de ainda manter a promessa de incluir outros componentes cr?ticos, como Avalon e o ?ndigo. Alguns usu?rios ficaram desapontados, mas nem um pouco surpresos.

O grande apaziguador

Amargos rivais no passado, Microsoft e Sun forjaram um acordo de coopera??o e interoperabilidade em diversas ?reas tecnol?gicas, incluindo servi?os para web e a inclus?o de Java no Windows. Ambas companhias, no entanto, competem ferozmente contra a amea?a competitiva promovida pelo sistema operacional Linux. Ainda assim, as possibilidades desse acordo intrigam os l?deres do mercado de TI.

“N?s estamos realmente trabalhando por um mundo onde os produtos da Sun e da Microsoft possam coexistir”, disse Greg Papadopoulas, diretor de tecnologia da Sun.
InfoWorld, EUA